segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

O Missionário das Letras

O que me inspira é a boa vontade das pessoas para com outras que estão precisando de um sustento de palavra, de alimento ou simplesmente de companhia. Sempre concordei com a tese de que a cultura nos livra de insucessos da vida, nos proporcionando, talvez, o que precisamos para um futuro mais engajado, pouco egoísta. O artista vive antes para si, porém, pensando no outro, no que as pessoas irão pensar do seu trabalho. Mas, o que devemos propor desta vez é algo além do simples esperar da crítica bem-vinda aos companheiros artistas. Pensemos nas ruas, nos que sofrem por alimento para o corpo e muitas vezes para a alma que lamenta a perda de algo. Penso sinceramente em colocar uma enorme caixa para doações de livros na porta de minha casa. Atingido a quantidade esperada, saio pelas ruas entregando mundos mágicos, esperança aos poucos que se acham excluídos na sociedade, daquele que não pode acessar uma internet, não pode comprar um jornal, não pode visitar uma biblioteca pública. Acho-me indignado em pensar que um morador de rua não pode adentrar aos aposentos suntuosos dos livros públicos. Livro é algo a ser difundido, espalhada, falado e comentado. É para ser folheado, lido, usado e emprestado. Há muitas crianças precisando sonhar, há muitos que ainda nem sequer sabem sonhar. A cultura salva na medida do possível, engrandece a alma, inspira o sem ideia, encoraja os medrosos. Espalhemos o que deve ser espalhado. Não tranque a biblioteca para os que necessitam dela. Escreva um livro de contos pensando nessas pessoas. Use as melhores histórias. Plante a esperança. Doze historinhas é o suficiente. Faça algumas cópias e durante idas e vindas, encontramos alguém pelas ruas. Converse com ela, peça para que leia. Aproveite e doe livros também.

O poder dos livros é maior do que nós imaginamos.

“A arte pura é a mais elevada contemplação espiritual por parte das criaturas.” Emmanuel.

1 comentários:

rai2012 disse...

Lucas.

Admiro muito aqueles que divulgam a leitura como intrumento de desenvolvimento humano.Lendo,abrimos as portas do conhecimento. tornando-o mais justo e frateno.
Um abraço.

Postar um comentário