segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Livro não é brincadeira

Escrever não é brincadeira. Esse ato diverte, ensina, nos retira da imensidão da mesmice terrena. É trabalho braçal, tão desigual que é acusa de profissão de preguiçoso. Ledo engano, pensar assim, pois o escritor, com toda a sua boa vontade, escreveu para assim lhe divertir ou instruir. Pois bem. Livros não é brincadeira. Pode ter um fundo científico ou pode ter um fundo filosófico, é livro, não brinquedo. Pode ser a casa de uma bela história, fonte inspiradora de suspiros ou lágrimas ou sorrisos afrouxados. Pode ser o refúgio das grandes navegações, perdidas no imenso e escuro mar. Ainda serve de templo religioso, de repousou. Entretanto, livro não é brincadeira. Quando é admirado o ato de passar o que pensamos para o papel, nossa cabeça ferve, brinca e joga com nossas ideias. Tentamos de diversas formas colocar o que é de vital importância, de mais belo e real. Mas, livro não é brinquedo. O ato de escrever deve ser visto como sagrado. Qualquer texto, faço-me pensar antes de um ensinamento, depois uma história para divertir. O que seria dos romances sem os ensinamentos? Ou um poema sem versos? Um baú sem tesouros, uma floresta sem folhas? Escrever está além de escrever. Deve ter a tarefa de ensinar, de além fazer sorrir, de fazer chorar. Quem pensar que está comprando ou alugando um livro só para se divertir, perde o grande prazer de aprender. E quem escreve apenas pelo gosto de escrever uma história, perde o grande prazer de estar lendo um bom livro. Escritores sempre foram minha inspiração, e que assim seja a sua também. Meu caminhar não teria pegadas se não fosse por eles. Ruth, Carlos, Monteiro, Clarice, Allan, Jesus... aprendi e aprendo, pois a vida é escola e não podemos perder tempo. Tudo é muito rápido. Não perca tempo. Inspire-se, permita-se aprender consigo antes de tudo. Um bom livro surge da inspiração de grandes professores. Viva, aprenda e escreva pretendendo mudar, pretendendo ensinar sempre para o bem daqueles que serão seus eternos alunos. Escreva com real sentimento, porque livro não é brincadeira.

"O livro é a chuva que fertiliza lavouras imensas, alcançando milhares de almas" - Emmanuel.

3 comentários:

Driih disse...

"livro não é brincadeira" essa é uma verdadeira realidade, e só quem se desafia escrever sabe desse significado
Ahh Lucas, vc escreve muito bem, eu até me assusto quando leio algo feito por você, que é um verdadeiro monstro da literatura, não falo isso da boca pra fora, e sim, porque tenho real consciência do que estou dizendo
vc é um escritor como poucos, na verdade, como nenhum, ou como somente um; como VOCÊ ^^

Nathy disse...

Adorei o texto,bem objetivo.

Cami Fiamoncini disse...

Vi que você também é um amante das palavras. Cheguei no teu blog por acaso mas gostei. Quero te convidar pra conhecer e seguir o meu: www.abcdecami.blogspot.com

beijos e te espero lá, viu?

Postar um comentário